Sem Medo do Dentista

Espantando Fantasmas

O medo do dentista na infância surge por dois fatores: o pequeno vive uma experiência traumática ou o medo é transmitido por um adulto que tem pavor de tratar os dentes. No primeiro caso, essa experiência quase sempre é fruto de um tratamento feito por um profissional sem habilidade para lidar com a criança. O baixinho, então, pode sentir dor e ficar apavorado nas próximas consultas. ”Por isso é importante a criança ser atendida por odontopediatras”, alerta o especialista em dentes de leite Fábio Bibancos. “Aquela história de levar a criança ao dentista que atende a toda a família quase sempre não funciona”, afirma Bibancos.

O medo do desconhecido é evitado quando os pais deixam de transmitir para os filhos os seus traumas “Frases como ‘Não vai doer’ ou ‘Dói só um pouquinho’ são ruins, pois embutem o medo”, lembra o odontopediatra e especialista em pacientes especiais Wlader Fedozzi. “O mais correto é apenas avisar a criança previamente da consulta, dizendo que é uma visita a um amigo que sabe ensinar a cuidar dos dentinhos”, diz Fedozzi. “Deixe que ela mesma tire suas dúvidas e espante seus medos do profissional. O odontopediatra é capaz de explicar os procedimentos que irá executar na boquinha sem causar pânico”, completa Adriana Cátia Mazzoni, odontopediatra e membro da Academia Americana de Odontopediatria.

Prevenção tranqüila

Um ponto positivo nos tratamentos que visam a prevenção é que eles são pouco agressivos. Englobam limpeza, orientações de técnicas de escovação, polimento e aplicação de flúor e selantes. Em segundo plano há o tratamento de cárie e canal. “São procedimentos mais invasivos, que podem propiciar a dor. Mesmo assim, se feitos de forma adequada, também não causam traumas”, afirma Fedozzi.

Pais que tem o hábito da higiene bucal incorporados em sua rotina como algo agradável podem nem se dar conta, mas estão fazendo um bem pela saúde bucal de seus filhos: transmitem aí as primeiras lições de cuidados com os dentes. Crianças que manipulam a própria boca com o uso da escova e do fio dental acham normal quando o odontopediatra as examina. “Aprender a cuidar dos dentes é o passo mais importante para a criança espantar o medo que sente do dentista”, completa Adriana.

Fonte: Revista Meu Nenê – junho/2003